CONCENTRAÇÃO DE AUDITORIA NO MERCADO DE CAPITAIS BRASILEIRO

José Alves Dantas, Simone Mesquita Teixeira Chaves, Gersonete Araujo Sousa, Eduardo Monteiro Silva

Resumo


O estudo teve por objetivo avaliar o grau de concentração dos serviços de auditoria independente no mercado de capitais brasileiro entre 2000 e 2009 e levantar aspectos positivos e negativos associados a essa concentração. Os testes empíricos tiveram por base o número de clientes em carteira, os ativos totais e as receitas líquidas das empresas listadas na Bovespa. Tendo como benchmark os parâmetros das autoridades antitrustes brasileiras, não foram encontradas
evidências de que a concentração do mercado de auditoria no Brasil viabiliza o exercício coordenado de poder de mercado. Utilizando os critérios das autoridades antitrustes dos EUA, constatou-se que o mercado de auditoria no Brasil é concentrado, com resultados mistos quanto ao nível dessa concentração. Quanto aos impactos da concentração, prevalece na literatura a dualidade relacionada às hipóteses estrutura-conduta-performance (HEP) e estrutura eficiente (HEE). A primeira pressupõe que uma indústria mais concentrada se comportará oportunisticamente, enquanto a segunda prevê que a concentração é decorrência da eliminação de instituições menos eficientes pelas mais eficientes.

Referências


ALEXANDER, D.; JERMAKOWICZ, E. A true and fair view of the principles rules debate. Abacus. v. 42, n. 2, p. 132-164, 2006.

ALMEIDA, J. E. F.; ALMEIDA, Juan C. G. Auditoria e earnings management: um estudo empíricos nas empresas abertas auditadas pelas big four e demais firmas de auditoria. Revista

Contabilidade e Finanças. USP, São Paulo, v. 20, n. 50, p. 62-74, maio/agosto 2009.

AMERICAN ACCOUNTING ASSOCIATION (AAA). A Statement of basic auditing concepts.The Accounting Review, supplement to v. 47, p. 18, 1972.

ARENS, A. A.; LOEBBECKE, J. K. Auditoria: un enfoque integral. 6 ed. México: Prentice Hall, 1996.

BOYNTON, W. C.; JOHNSON, R. N.; KELL, W. G. Auditoria. São Paulo: Atlas, 2002.

BRAUNBECK, G. O. Determinantes da qualidade das auditorias independentes no Brasil. 2001. 129 f. Tese de doutorado (Programa de Pós-Graduação em Contabilidade - Universidade de São Paulo/USP). São Paulo. 2010.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Instrução nº 480, de 7 de dezembro de 2009. Disponível em . Acesso em: 12 dez. 2010.

DeANGELO, L. E. Auditor size and audit quality. Journal of Accounting and Economics. v. 3, p. 183-199, 1981.

GOVERNMENT ACCOUNTABILITY OFFICE (GAO). Public accounting firms: mandated study on consolidation and competition. jul. 2003. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2010.

_________________________________. Audits of public companies: continued concentration in audit market for large public companies not call for immediate Action. jan. 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 dez. 2010.

HAVRYLCHYK, O.; JURZYK, E. Profitability of foreign and domestic banks in Central and Eastern Europe: does the mode of entry matter? SSRN papers, jan. 2006. Disponível em . Acesso em: 30 jun. 2010.

HAYES, R. et al. Principles of auditing: an introduction to international standards on auditing. 2 ed. Harlow, England: Prentice Hall, 2005.

INTERNATIONAL FEDERATION OF ACCOUNTANTS (IFAC). Handbook of internationalauditing, assurance, and ethics pronouncements. New York: IFAC, 2008.

KALLAPUR, S.; SANKARAGURUSWAMY, S.; ZANG, Y. Audit market concentration and audit quality. SSRN Working Papers, jan. 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 dez. 2010.

MARTINEZ, A. L.; REIS, G. M. R. Rodízio de auditores e o gerenciamento de resultados. Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 10, 2010, São Paulo/SP. Anais… São Paulo: USP, 2010.

MASCIANDARO, D.; QUINTYN, M. Measuring financial regulation architectures and the role of the central banks: the financial supervision Herfindahl Hirschman Index. SSRN papers, 2009. Disponível em . Acesso em: 30 nov. 2010.

MAUTZ, R.; SHARAF, H. The Philosophy of Auditing, 12th ed., American Accounting Association, 1985.

MERCHANT, K. A.; VAN DER STEDE, W. A. Management Control Systems. 2 ed. Harlow: Pearson, 2007. 850 p.

MURCIA, F. D. Relevância dos red flags na detecção do risco de fraudes nas demonstrações contábeis: a percepção de auditores independentes brasileiros. 2007. 105 f. (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Contabilidade – UFSC, 2007.

NEWMAN, D. P.; PATTERSON, E. R.; SMITH, J. R. The Role of Auditing in Investor Protection. The Accounting Review, v. 80, n. 1. p. 289-313, 2005.

OJO, M. The role of the external auditor in the regulation and supervision of the UK banking system. Journal of Corporate Ownership and Control, v. 5, n. 4, 2008.

RICCHIUTE, D. N. Auditing and assurance services. 7th ed. Mason, USA: Thomson Learning, 2002.

ROCCO, N. KPMG compra operação da Trevisan. Portal IG – Economia – Mercados, 23 Mar, 2011. Disponível em . Acesso em: 20 abr. 2011.

SANTOS, A.; GRATERON, I. R. G. Contabilidade criativa e responsabilidade dos auditores. Revista Contabilidade & Finanças – USP, v. 14, n. 32, p. 7-22, 2003.

SECRETARIA DE ACOMPANHAMENTO ECONÔMICO (SEAE); SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO (SDE). Guia de análises para atos de concentração horizontal. Portaria Conjunta SEAE/SDE nº 50, de 1.8.2001. Disponível em . Acesso em: 7 dez. 2010.

SILVA, S. P. Auditoria independente no Brasil: evolução de 1997 a 2008 e fatores que podem influenciar a escolha de um auditor pela empresa auditada. 2010. 149 f. Dissertação

de mestrado (Programa de Pós-Graduação em Contabilidade – Universidade de São Paulo/USP). São Paulo. 2010.

TORRES, F. Transparência de auditorias está no foco de reguladores. Jornal Valor Econômico, online, 11 fev. 2010-a.

___________. Alta concentração. Jornal Valor Econômico, online, 10 ago. 2010-b.

U.S. CHAMBER OF COMMERCE. Auditing: a profession at risk.

U.S. Chamber of Commerce. Washington, DC, jan. 2006. U.S. DEPARTMENT OF JUSTICE AND THE FEDERAL TRADE COMMISSION. Horizontal Merger Guidelines. Disponível em . Acesso em: 7 dez. 2010.

WORLD BANK (WB); INTERNATIONAL MONETARY FOUND (IMF). Indicators of financial structure, development, and soundness. In: ______ Financial Sector Assessment: a Handbook. 2005, Ch. 2. Disponível em: http://www.imf.org/external/pubs/ft/fsa/eng/pdf/ch02.pdf>. Acesso em: 26 dez. 2010.


Texto completo: Artigo


ciências humanas e sociais
geovisite